IA aumenta a taxa de sucesso em procedimentos de fertilização in vitro

A taxa de sucesso do procedimento de fertilização in vitro depende de diversos fatores, dentre eles a idade da mulher, se ela já esteve grávida antes, se tem problemas de saúde relacionados à reprodução, seu estilo de vida e a clínica onde o processo é realizado. Mesmo nas melhores condições e após intervenção por embriologistas, apenas cerca da metade das inseminações resultam em gravidez viável, ou seja, em metade dos casos a mulher perde o bebê, que acaba sendo fonte de estresse adicional ao casal.

Visando mudar esse cenário, a Virtus Health, uma clínica australiana especializada em fertilização in vitro, está testando um método baseado em inteligência artificial para aumentar a taxa de sucesso do procedimento. Ainda em estágio experimental, cerca de 1000 pacientes devem fazer parte do estudo, em sete clínicas do grupo presentes na Austrália, na Irlanda e na Dinamarca. O protocolo inicia da maneira tradicional, onde alguns óvulos são fertilizados e mantidos em uma incubadora por um período curto para aumentar as chances de viabilidade. Mas a diferença é que a Virtus Health está monitorando esses embriões fotograficamente, registrando seu estado a cada 10 minutos num período de cinco dias. Para isso, eles desenvolveram uma parceria com a empresa Vitrolife, que fornece as incubadoras com capacidade de monitoramento fotográfico. O tratamento das imagens como uma série temporal, realizado em parceria com a empresa Harrison AI, especializada em uso de inteligência artificial na área de saúde, tem permitido predizer o desenvolvimento cardíaco dos fetos, e assim identificar os embriões mais saudáveis para implantação. O sistema foi treinado com mais de 115 mil sequências fotográficas de embriões com destino conhecido.

A técnica, chamada de IVY, já tem apresentado resultados considerados revolucionários, chegando a alcançar taxas de sucesso de 90% numa fase preliminar da pesquisa. Se o estudo confirmar o potencial benéfico da tecnologia, esse pode ser o maior avanço na fertilização in vitro em décadas.

Como o procedimento está sendo desenvolvido pela iniciativa privada, poucas informações sobre a metodologia estão disponíveis, mas a inusitada ideia mereceu menção por envolver inteligência artificial e ter implicações muito positivas para aqueles que poderão se beneficiar de sua adoção.