IA agiliza processo de revisão da literatura científica em 20 vezes

O conhecimento científico é formado lentamente a partir da soma das evidências acumuladas por várias pesquisas independentes. Apesar da publicação de um trabalho individual ser essencial para que as evidências produzidas sejam documentadas, de tempos em tempos pesquisadores costumam produzir uma revisão da literatura, que reúne todos os trabalhos publicados em um período sobre determinado assunto, e assim chegar a conclusão a partir de um panorama mais amplo. A publicação de uma revisão é como um resumo analítico e crítico da produção científica do período coberto, e por isso é tão necessária para o avanço do conhecimento.

Entretanto, a produção de uma revisão é um processo lento e trabalhoso. Os pesquisadores devem buscar em bases de dados todos os trabalhos relacionados ao assunto coberto, utilizando palavras-chave. Depois, devem fazer um screening manual, começando pela leitura do resumo de todos os trabalhos encontrados, e na sequência lendo integralmente o material selecionado por esse primeiro filtro. Os critérios de seleção acabam sendo meio subjetivos, e mesmo com todo o cuidado, muitos trabalhos acabam sendo excluídos da revisão por não serem pertinentes, o que resulta em tempo perdido. Além disso, a complexidade desse processo aumenta já que são muitos os trabalhos científicos disponíveis nesses bancos de dados, e ainda mais são publicados todos os dias. Um tópico de interesse que não seja bem estudado corre o risco de ter alguns trabalhos não encontrados; outro com enorme cobertura pode deixar os pesquisadores responsáveis pela seleção atordoados.

Um trabalho publicado no final de agosto se propôs a usar inteligência artificial para tornar esse processo mais eficiente. Os pesquisadores compararam o processo manual de seleção para uma revisão sobre um tópico complexo, as manifestações cutâneas de uma síndrome do sistema imunológico, com aquele realizado por um software desenvolvido por eles, chamado de Bibliography BOT (BIBOT). O algoritmo usa as mesmas palavras-chave usadas na busca manual, mas faz a seleção dos artigos relevantes de forma automatizada.

A busca manual encontrou 855 artigos, enquanto que o BIBOT obteve 1042. Desses, 202 foram selecionados a partir dos critérios de exclusão. Na lista final, 33 trabalhos foram reconhecidos apenas pela seleção manual, enquanto que o BIBOT reconheceu 14, mas a grande maioria, 155 trabalhos, foram reconhecidos pelos dois métodos. Um cálculo de reprodutibilidade mostrou que a confiabilidade dos resultados cruzados era quase perfeita (0.84 de uma escala até 1). Ainda mais, enquanto que a seleção manual demorou 4 meses contando com 4 horas semanais de dedicação de um pesquisador, o BIBOT produziu resultados semelhantes em apenas 3 horas – 1/20 do tempo.

Todo estudante que já precisou fazer uma revisão bibliográfica sabe que esse é um dos maiores gargalos durante a produção científica, e o trabalho é ainda mais desafiador quando o objetivo é sumarizar o consenso produzido sobre determinado assunto. Facilitar o processo de geração de revisões pode fazer com que a consolidação de evidências em conhecimento estabelecido se torne mais rápida, o que por sua vez traz o potencial de agilizar o retorno do investimento feito em ciência na forma de benefícios para a sociedade.